O autor


C ão miserável, verme rastejante, mentiroso, maldito, descendente de uma raça de ladrões e rameiras, sangue marcado por todas as pragas e todas as maldições. Má companhia, azedo como o vinagre de uvas crescidas na lama pútrida de um cemitério pagão. Vaga por essa terra urrando suas calúnias imundas, e se há justiça no mundo ele deve ser banido de toda vila, povoado ou cidade onde tentar fixar seu lamentável esqueleto.

Por algum motivo impossível de se compreender, dado que os desígnios dos deuses fogem à compreensão do espírito humano, é cercado de boa gente: mulher, família, amigos, parceiros e cmparsas. Pessoas de fibra, caráter, com história e queixos erguidos mais por coragem do que por orgulho. A sombra de tais pessoas é a única coisa digna que pode ser vista neste homem.


Ocupações diurnas


novembro 3, 2020

#LivroLixo

outubro 22, 2020

“Contos do Machado” e a morte de um primo do Português

É estranho assistir uma língua morrer. Uma língua, ou um dialeto, ou idioma crioulo, ou qualquer outro termo técnico que queiras usar. Claro que podes dizer […]
outubro 15, 2020

O peso dos livros

setembro 17, 2020

Memória de Dory